14 de abril de 2009

?

Hojee encaro um desafio muito grande e jamais pensado por mim, decifrar e divulgar minha solidão...

É estranho você não se conhecer direito, não tomar um caminho como teu, ‘escolher’ entre o bem ou o mal, vencedores ou não, creio que se auto-conhecer é praticamente impossível o que podemos fazer é conviver harmoniosamente com esses dois lados, ponderar o que é importante naquele momento e principalmente admitir nossas falhas e valorizar os acertos.
Solidão é um estado de espírito, devemos ter momentos solitários mas jamais ser solitários, as vezes dizemos com alguém que vive só ‘coitado, largado no mundo sem ninguém com quem contar...’ pobres de nós pois ele muitas vezes perdeu tudo menos a si mesmo!
Você se tem ou ainda se procura por aí em religiões, grupos, pessoas? Já desvendou seus mistérios? Ou tem medo do que possa descobrir quando desvenda-los?
Será que você é realmente quem pensa ser? Ou incorporou tão bem esse papel do outro eu, que já não se conhece ao ponto de se interrogar pó porque eu to lendo isso aki?
É facto você não se conhece! Eu não me conheço! Mas nós nos conhecemos um ao outro, justamente por isso não nos conhecemos ainda.

É tempo de pensar seus próprios pensamentos! Sentir tuas emoções, e dizer o que de fato quem tu és!!!

Boa sorte nessa tua jornada em busca do teu ser onde eu e mim se tornarão um só e você não temerá nenhum deles pois ambos fazem parte de você!

Textoo dedicado a Aline Rondini Pires.

Vai aê a musica que considero minha fiel traduÇão.

Revolta dos dândis – Engenheiros do Hawaii
Entre um rosto e um retrato
O real e o abstrato
Entre a loucura e a lucidez
Entre o uniforme e a nudez
Entre o fim do mundo e o fim do mês
Entre a verdade e o rock inglês
Entre os outros e vocês
Eu me sinto um estrangeiro
Passageiro de algum trem
Que não passa por aqui
Que não passa de ilusão
Eu me sinto um estrangeiro
Passageiro de algum trem
Que não passa por aqui
Que não passa de ilusão
Entre mortos e feridos
Entre gritos e gemidos
A mentira e a verdade
A solidão e a cidade
Entre um copo e outro da mesma bebida
Entre tantos corpos
Com a mesma ferida
Eu me sinto um estrangeiro
Passageiro de algum trem
Que não passa por aqui
Que não passa de ilusão
Eu me sinto um estrangeiro
Passageiro de algum trem
Que não passa por aqui
Que não passa de ilusão
Entre americanos e soviéticos
Gregos e troianos
Entra ano e sai ano
Sempre os mesmos planos
Entre a minha boca e a tua
Há tanto tempo, há tantos planos
Mas eu nunca sei pra onde vamos
Eu me sinto um estrangeiro
Passageiro de algum trem
Que não passa por aqui
Que não passa de ilusão
Eu me sinto um estrangeiro
Passageiro de algum trem
Que não passa por aqui
Que não passa de ilusão
Eu me sinto um estrangeiro...

Um comentário:

Lineh Rondini disse...

Deveria ser escritora!!!

Há tantas coisas em vc que só sei mesmo qdo vc escreve!!! ... Que tal andarmos com caderninhos pra cima e pra baixo, pra gente se entender mais?? kkkkkkkkk³

Definitivamente, vc sempre me surpreende e a cada dia que passa me mostra o quaão esperta e sincera és!

Desculpe se tenho sido falha em relação a nossa amizade, mas é que ando muito confusa ...
Mas nao se preocupe, nada familiar :)
Coisas da vida mesmo, sabia que um diaeu me pegaria assim, confusa , hehe!

EU.TE.AMO , e nunca vou te esquecer!